Quando o Ensino Presencial é Melhor que o Ensino a Distância?

No mês de julho de 2012 entrevistei um engenheiro dono de vários cursos presencias da área técnica.  Ele comentou sua experiência em cursos presenciais e a voracidade do mercado e dos concorrentes, relatando uma luta por manter a qualidade e a assiduidade dos seus alunos.

Dentre os cursos que este profissional ministra, muitos oferecem certificados reconhecidos junto ao MEC.  No entanto somente um deles me chamou atenção: o de técnico de enfermagem.  Comentando sobre como funcionava o curso, o engenheiro contou que cada aluno seu precisava fazer certos procedimentos como dar injeção, tomar a pressão de alguém, etc.  Percebi claramente que um curso online não teria estes recursos, pois seria preciso o uso do “tato”, do feeling…  Ele discorreu também sobre a necessidade de uma boneca especial que servia como uma “cobaia”.  Os alunos precisam aplicar injeções no boneco e um computador processava as informações concluindo se o aluno cometeu ou não algum deslize.

De maneira curiosa, um mês antes deste ocorrido, minha empresa havia fechado um contrato novo com médicos de São Paulo sobre cursos preparatórios para médicos residentes.  O interesse deles era desenvolver um processo de aprendizado em EAD para médicos recém formados.

Da mesma maneira, ainda no meu processo de pesquisa de adequação da realidade EAD ou Presencial, aprendi que o EAD pode ser usado no treinamento de enfermeiros especialistas em esterilização e limpeza de material cirúrgico. Cada um dos instrumentos delicados usados em operações complicadas precisa ser desmontado, limpo e esterilizado e uma equipe de profissionais superespecialistas é encarregada desta função.  Nesta modalidade uma solução EAD é bem – vinda e bastante solicitada!

Fiquei pasmo ao concluir o quão sutil é a linha entre o Presencial e o EAD.  Ficou claro que o ensino presencial supera o online quando são levados em consideração os sentidos humanos: “tato”, “feeling”, “calor humano”, etc.

Embora exista “calor humano” não presencial.

Mas isso é outra história!

Related Posts

2 comments

  • produtosorganicoschacaraburiti

    Olá Alessandro,

    Concordo com você, a linha é bem sutil.
    E quem quem fazer um curso EAD, deve estar atento a suas qualidades.
    Há cursos em que são obrigatórias as aulas práticas.
    Como você citou, a enfermagem é uma área que precisa de tato, e não há como praticar isso em EAD, é preciso aulas práticas.

  • Sthefany Caroline B. da Cruz Silva

    Sthefany Caroline B. da Cruz Silva

    Responder

    Olá,

    Meu nome é Sthefany e atualmente faço pós em Metodologias e Gestão para EAD.
    Mas sou graduada em Biologia. E posso dizer com certeza que a EAD não é para todos os cursos. Há disciplinas que eu tive na graduação que exigiram aulas práticas, sem as quais não alcançaria o conhecimento exigido na minha área.

    E assim é muito mais evidente em outras áreas, como você citou: a enfermagem.
    Eu acredito sim, em um meio termo, um curso semi-presencial, com aulas práticas e conteúdos em ambiente virtual.

    Porém as instituições que oferecem devem ter estrutura para essas aulas, assim como profissionais como técnicos e materiais de qualidade.

    Assim é possível universalizar a EAD.

Leave your reply

*" value="" aria-required='true' />
*" value="" aria-required='true' />